Novembro 2001

Aeródromo II
Conjunção de Marte e Urano

2001.11.25
Aeródromo da Gândara do Olivais ( 39.77N 8.82W alt:52m)
16:30 ás 18:30 TU
Magnitude zénite: N/A Antoniadi: III (estável-).
Câmara digital Canon Powershot G1.

Marte e Urano em 25-Novembro-2001 18:00 TU
Marte e Urano em 25-Novembro-2001 18:00 TU
Canon Powershot G1 f2.5 8s 50 ASA. Foto tirada perto da conjunção destes dois planetas em que ficariam separados apenas por 48 minutos.


Observatório do Pinhal do Rei XVIII

2001.11.21
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
22:15 ás 00:45+ TUC
Magnitude zénite: 5+ (telescópio: 12+) Antoniadi: II (estável-). Temperatura: 2 graus . Céu completamente limpo. ligeira neblina.
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), Nagler 9mm (133x 37'), Sky Atlas 2000.0 (Tirion).

Cocheiro (Auriga)

- Enxame aberto 1857 H 59 mag 8.5 dim 6.0' classe II 2 m
Pequeno enxame numa zona populada desta constelação que se resumir a ums estrela avermelhada rodeada por uma pouco perceptível nuvem pouco resolvida em estrelas.

- Enxame aberto 2126 H 68 mag 10.0 6.0' classe II
Pequeno enxame com poucas estrelas, sendos essas pouco brilhantes em mais ou menos alinhanhadas com uma estrela brilhante (mag 6) que se encontra lá perto.

Cefeu

- Enxame aberto 188 C 1 OC mag 8.1 dim 14.0' classe II
Enxame grande e constituído por estrelas de mag 10 e abaixo, embora seja muito ténue é no entanto fácil de encontrar de observar devido ao facto de estar rodeado de estrelas brilhantes que o contornam. É um dos enxames abertos com mais idade com cerca de 9 mil milhões de anos que é também a a idade do globular mais novo.

- Enxame aberto 6939 (H 371 D 107) mag 10.0 dim 8.0' classe I 1 m
Enxame interessante arredondado e de tamanho modesto não imediatamente perceptível, embora seja possível resolver algumas estrelas a maior parte delas contribui mais para o fundo indefinido. A menos de um grau e visível consegu-se observar o o objecto seguinte.

- Galáxia 6946 (C 12 D 108 H 373) mag 10.5 dim 11 x 10 classe Sc
Galáxia muito ténue mas grande perto do exame anterior. O seu baixo brilho de superfície (14) torna-a um objecto complicado de discernir, mas de qualquer modo é perfeitamente visível num 20cm com céu de mag 5+. Devido á hora de observação não foi possível ver qualquer detalhe nesta galáxia com brilho uniforme.

- Nebulosa de reflexão 7023 (C 4) dim 18.0'x18.0' classe n
Nebulosa em volta de uma estrela de 7 de magnitude. Quando passei por ela a primeira vez julguei que a ocular tinha embaciado, e é a melhor descrição que parece uma estrela numa ocular embaciado, com uma espécie de "halo".

Cometa Linear C/2000 WM1

Cada vez maior e mais brilhante. Embora não tenha "cauda" nota-se algum enlongamento. Se este cometa não se partir entretanto promete...

Meteoros

Ainda se consegue observar alguma actividade meteórica nestes dias. Durante a sessão vi pelo menos uma dúzia deles, embora a maior parte não fosse leónidas eram relativamente fortes.



Atalaia II

2001.11.17
Atalaia (Montijo 38º44N 8º48W)e arredores de Leiria
22:30 as 05:45 TU (22:30 ás 05:45 locais)
Magnitude zénite: Atalaia (5+), Leiria (5) Antoniadi: Atalia II(estável). Temperatura: não reg . Céu completamente limpo por vezes nublado. Nevoeiros
Câmara digital Canon Powershot G1.

Chuva de meteoros Leónidas

Como provavelmente já se esperava a chuva de meteoros não foi muito forte nas horas de escuridão cá em Portugal, pois o pico foi entre 11 e 12 TU do dia 18, mas apesar ainda tive ocasião de observar pelo menos 10 meteoros (3 dos quais muito fortes e com rasto que durou pelo menos 5 segundos) até á 1 da manhã na Atalaia.

Já de volta a Leiria notou-se que a actividade meteórica não parecia diminuir (antes pelo contrário) e arranjou-se à pressa um local mais ou menos escuro e elevado nos arredores afastados da cidade.
Nesse local e durante cerca de 2 horas tive ocasião de observar muitas dezenas de meteoros, na generalidade de fraco brilho. Tentei capturá-los na câmara digital mas com pouca sorte, só apanhando um início de 1 (por sinal bem forte) e uma outra muito fraquinha.

A Constelação de Leão em 19-Novembro-2001
A Constelação de Leão em 19-Novembro-2001
Chuva de Meteoros Leónidas.Uma das leónidas a sair do seu radiante na constelação de Leão

Cometa Linear C/2000 WM1

Esta cometa está maior e mais brilhante de dia para dia, e finalmente consegui vê-lo nos 10x42, mas muito mais composto nuns bons binos 16x70 que por lá (na Atalaia) andavam.

O cometa linear C/2000 WM1 em 17-Novembro-2001
O cometa linear C/2000 WM1 em 17-Novembro-2001
Era vértice no triângulo Algol e Rho Persei. Na fotografia está muito ténue, mas está lá.... fotografia tirada na Atalaia.

O local de observação da Atalaia pareceu-me bastante podendo com certeza ter céus até 6 de magnitude pelo menos no zénite.
Enquanto as leónidas não apareciam, foi-se dando uma olhadela através dos cerca de meia dúzia de telescópios com aberturas entre 102 e 200mm e binóculos que lá se encontravam. Gostei da "Nebulosa variável de Hubble" (NGC 2261) em Unicórnio que se assemelha a um pequeno cometa, e do enxame aberto M44 "Presépio" em Caranguejo num binóculo 16x70. A atmosfera estava relativamente calma para os planetas e apreciei ver Júpiter num mak-newton de 5"

Eis o horizonte a Noroeste (na direcção de Lisboa).

horizonte
O horizonte na direcção de Lisboa está como é obvio um bocado "estragado" pela poluição luminosa, todas as restantes direções (ainda) estão bem conservadas.

PS: Obrigado á pessoa que teve a oportuna ideia de distribuir pasteís de Belém a todo o pessoal



Pátio 45

2001.11.14
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:20 ás 00:15 locais (22:20 as 00:15 TUC)
Magnitude zénite: 4+ (telescópio: 12+) Antoniadi: IV (pouco estável). Temperatura: 7-8 graus . Céu completamente limpo. Fumo de chaminés
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), ortoscópica Kasai de 12.5mm (97x 26')

Noite bem limpa, mas com muito fumo de chaminés a "estragar a vista" em diversas direcções.

Cefeu (Cepheus)

Mu Cephei "Garnet Star" (mag 3.4 a 5.1 Per 730 dias) classe M2
É uma das minhas estrelas preferidas - tem uma cor vermelha intensa. Sempre que ando por Cefeu lhe presto uma visita. È uma supergigante vermelha pulsante semelhante à Betelgeuse com a luminosidade de 174000 sóis a uma distância de 3000 anos-luz. Vi no skymap que tem uma ténue companheira de mag. 12.30 separada de 19.5" - vou tentar observá-la para a próxima.

- Enxame aberto NGC 7160 (H 383) mag 6.5 dim 7.0' classe II 3 p
Pequeno mais curioso enxame com uma dezena de estrelas brilhantes. As 2 mais brilhantes (mag 7 e 8) estão agrupadas estão na extremidade deste enxame que é alongado sendo seguido por um triângulo estrelas de mag. 10+.

- Nebulosa planetária NGC 40 (H 1) mag 12.4 dim 60"x40" classe 3b(3)
Esta planetária deu trabalho a encontrar, pois com céu de mag. 4 não existem muitas estrelas nas imediações que ajudem apontar o telescópio, de qualquer modo valeu a pena encontrá-la nem que fosse pelo desafio. A 66x a nebulosa era praticamente imperceptível e lembra-me ter passado por ela diversas vezes até que usei um bocado mais de magnificação (87x) e lá a consegui encontrar fazendo um dos vértices de um triângulo (bem achatado) com estrelas de mag. 10 e 9. Estas estrelas próximas de certa forma ajudaram a perceber a pequena e ténue nebulosidade que rodeava a estrela central de 11.6, que no entanto era por sua vez perfeitamente vísivel. A voltar numa noite de mag 6.

Cometa C/2000 WM1 Linear

Outra observação deste cometa que ainda se encontra em Perseu, é possível notar diferença na posição em apenas 2 ou 3 minutos. Em relação à observação do dia 11 parece-me mais brilhante e maior e já era perfeitamente identificável como um cometa núcleo e uma extensa "cabeleira".
Quando o comecei a observar (23:30 TU) estava a passar muito perto da estrela GSC-2870-2003 (mag 10.62). O brilho do núcleo era mais brilhante que esta estrela, sendo a magnitude integrada talvez comparável à GSC.2870-2003 (mag 8.48). Ainda não o conseguir observar nos binos 10x42. Neste momento está a 78.7 milhões de quilómetros da Terra (menos 10 milhões que no Domingo (11)).



Pátio 44

2001.11.11
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:30 ás 00:10 locais (22:30 as 00:10 TUC)
Magnitude zénite: 4+ (telescópio: 12+) Antoniadi: IV (pouco estável). Temperatura: 7-8 graus . Céu completamente limpo. Fumo de chaminés
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), ortoscópica Kasai de 12.5mm (97x 26')

Cometa C/2000 WM1 Linear

Primeira observação deste cometa que nesta altura se encontra em Perseu, num momento em que sua velocidade em relação às estrelas de fundo é bastante notória. Segundo o Skymap pro, só na hora e meia de observação aproximou-se da Terra 200000 km e percorreu no mínimo 3 minutos de arco.

O cometa aparenta ter uma magnitude bastante inferior à prevista (8.2) talvez por o brilho de superficie ser também baixo. Por comparação com estrelas nas redondezas, especialmente com a GSC-2876-0832 (mag 10.08 mag) lhe daria um brilho não inferior a 10 de magnitude e apenas 3 a 4 minutos de arco de dimensão (num céu de 4). Tentei vê-lo nos binos 10x42 e nada.
No dob de 20cm onúcleo era pontual e cerca das 11 horas parecia até ter dois - mas tal era por ter passado muito perto (menos de minuto de arco) da GSC-2876-0764 (mag 11.59). E ainda bem, pois serviu de uma boa referência para se notar bem o cometa a movimentar-se. Lá perto a cerca de 20 minutos de arco também estava a bem brilhante V376 Persei que é uma variável pulsante? (mag. 5.77-5.91).
A acompanhar nos próximos dias...


Observatório do Pinhal do Rei XVII

2001.11.11
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
22:30 (dia 10) ás 01:15 locais (22:30 as 01:15 TUC)
Magnitude zénite: 5+ Antoniadi: III(pouco estável). Temperatura: 4 graus à uma da manhã. Céu completamente limpo, mas vento com algumas rajadas.
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), ortoscópica Kasai de 12.5mm (97x 26'), ortoscópica Kasai de 9mm (139x 19'), Nagler 7mm (174x 28'), Sky Atlas 2000.0 (Tirion).

O meteosat lá fornecéu informação de última hora, mostrando uma grande enorme a caminho da nossa costa Oeste. O frio já chegou e já enregela os mais incautos. Quase que levei roupa suficiente para a sessão, mas o vento moderado com algumas rajadas tornou a sessão algo mais desconfortável.

Depois de ter revisto todo os objectos de Cocheiro observados na sessão anterior, fiquei bem mais impressionado com o par de enxames M38/NGC1907.

Touro (Taurus)

- Enxame aberto NGC 1647 (H 55) mag 6.0 dim 45.0' classe II 2 m
Grande e esparso com cerca de 40-50 estrelas a partir de 9 de magnitude mais ou menos espalhadas uniformemente.

- Enxame aberto NGC 1817 (H 58) mag 8.0 dim 16.0' classe III 1 m

- Enxame aberto NGC 1807 mag 7.0 dim 17.0' classe II 2 p
Interessante par de enxames com a mesma dimensão que se podem ver num campo de um grau. O 1817 é constituído por estrelas bem menos brilhantes, ao passo que o 1807 tem uma cadeia de meia dúzia de estrelas de 9-10 de magnitude. pode-se dizer que é um duplo enxame de Perseu bem mais longíquo.

- Remanescente de supernova M 1 (NGC 1952) "Crab Nebula" "Nebulosa do caranguejo" mag 8.4 dim 6.0'x4.0' classe E
As opiniões variam, mas para mim este messier é um dos meus preferidos - Foi um dos dez primeiros messier que observei com o ETX90 e é de visita obrigatória nesta constelação. Pode-se descrever como uma pequena e difusa nuvem alongada com uma textura algo indefinida e parece-me maior que o tamanho especificado. Aguenta bem a magnificação e com alguam sorte consegue-se ver algumas das estrelas de mag. 12.5+ que populam a área da nebulosa.
Uma das razões é que provavélmente é um dos objectos de céu profundo mais recentes que se pode observar no nosso céu, pois resultou da explosão de uma supernova no ano 1054 A.C que os Chineses tiveram ocasião de observar e registar. Esta supernova foi tão brilhante que se podia ver à lz do dia durante meses. Os gases estão neste momento a expandir-se a 1600 kilometros por segundo e no seu centro está uma estrela de neutrões (mag. 16) com alguns kilometros de diâmetro e que emite radiação em cada 0.033 segundos..

- Enxame aberto M 45 (Mel 22) "Pleiades" "Sete Irmãs" mag 1.2 dim 100.0' classe I 3 r n
Talvez o enxame aberto mais conhecido (mesmo por quem não se interessa por esta actividade) e que em muitas ocasiões é confundido pela constelação Ursa Menor. Não é preciso grande visão para conseguir distinguir a olho nu pelo menos 7 estrelas azul-brancas que formam uma espécie de mini Ursa Menor. E um excelente objecto binocular, sendo possível observar grande parte dos seus membros, e em especial uma curiosa corrente de de estrelas que parte da Alcione (a mais brilhante) no meio do enxame . No dob foi possível observar a nebulosidade de Merope (NGC 1432) que se assemelha a ocular embaciada (para tirar as dúvidas apontar para outra estrelas para verficar se é mesmo esse o caso). Este enxame está situado a 410 anos-luz (quarto mais próximo) e tem apenas 70 milhões de anos de idade.

m45
Bom objecto para câmaras fotográficas - aberração cromática com talvez alguma nebulosidade.

- Enxame aberto C 41 (Mel 25) "Híades" mag 0.5 dim 330.00' classe II 3 m
Este enxame enorme que se espalha por mais de 5 graus é o mais próximo do nosso Sistema Solar (com excepção do nosso próprio enxame) situando-se a apenas 150 anos-luz. A estrela dominante é a Aldebaran (Olho do Touro) que por acaso até nem pertence ao enxame estando até a apenas 68 anos-luz. Embora se conseguia resolver a olho nu muitas das estrelas, os binóculos ajudam a disitnguir bem as diferentes cores das estrelas mais brilhantes que vai do laranja a branco.

Eridiano (Eridanus)

- Galáxia NGC 1084 (H 44) mag 10.7 dim 3'x2'
Pequena galáxia com núcleo brilhante.

- Galáxia NGC 1407 (H 47) mag 9.8 dim 6'x5.8'

- Galáxia NGC 1400 mag 11.0 dim 2.8'x2.5
Interessante par de galáxias facilmente visíveis no mesmo campo de um grau, estando separadas apenas por 15 minutos de arco. A 1407 é notoriamente maior e mais brilhante. Ambos os núcleos são bem perceptíveis e brilhantes.

- Nebulosa planetária NGC 1535 (H 53) mag 9.6 dim 20"'x17" classe 4(2c)
Excelente e inesperada planetária, verdadeiro "tesouro" nesta pouco conhecida constelação. É redonda com uma cor cizento-azulada e apesar da estrela central ter apenas 11.6 de magnitude não a consegui ver. De visita obrigatória para estas paragens (pelo menos até ver a * central).



Pátio 43

2001.11.10
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:00 as 01:45 locais (00:00 as 01:45 TU)
Magnitude zénite: 4+ Antoniadi: III(pouco estável). Temperatura: 7-8 graus. Céu limpo.
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), ortoscópica Kasai de 12.5mm (97x 26'), ortoscópica Kasai de 9mm (139x 19'), Sky Atlas 2000.0 (Tirion).

Já faz algum tempo que não fazia observações no meu pátio, embora a magnitude limite seja um pouco menor ainda é possível ver estrelas até 12.5 de magnitude com o 20cm. A maior dificuldade é apontar pois há menos estrelas para ajudar a apontar apenas com quickfinder.

Girafa (Camelopardalis)

- Enxame aberto NGC 1502 (H 50) mag 5.5 dim 8.0' classe II 3 p
5 pares de estrelas todas com diferentes separações, sendo um do pares a ADS 2984 (ambas com mag 7 e separadas por 18"). Este enxame encontra-se no fim (ou no início) do asterismo chamado "Cascata de Kemble" que é uma cadeia quase rectilinea de estrelas que se estende por 2 graus e meio (ver com binóculos). .

Cocheiro (Auriga)

- Enxame aberto M 37 (NGC 2099) mag 5.6 dim 24.0' classe II 1 r
Um dos enxames abertos preferidos, logo a seguir ao M11 de Escudo. Um "mar" de estrelas com praticamente 2 centenas de estrelas resolvidas, muito rico mas com estrelas a partir de 9 de magnitude, e fica muito bem enquadrado num grau de campo. É um enxame bastante novo com um pouco mais de 200 milhões de anos e está apenas a 4600 anos-luz. Reparar na estrela avermelhada no seu centro.

- Enxame aberto M 36 (NGC 1960) mag 6.0 dim 12.0' classe II 3 m
Embora não tão rico, nem tão grande como o anterior, ganha por ter mais estrelas de magnitude 9 (pelo menos 5). Num 20cm não se pode dizer que seja impressionante tendo em atenção "à concorrência" lá perto. Está a 4100 anos-luz e presume-se que seja um enxames mais novos da nossa galáxia.

- Enxame aberto M 38 (NGC 1912) mag 6.4 dim 21.0' classe III 2 m
Eu tenho a opinião que o M38 é uma mistura dos dois enxames anteriores, quase tão grande como o M37, mas com mais estrelas brilhantes à semelhança de M36. São notórias algumas cadeias e emparelhamentos de estrelas talvez sendo possível observar cerca de uma centena. Mas se o M37 leva o prémio de mais bonito, este leva o prémio de vizinhança de par mais bonito, pois num grau é possível ver também o enxame NGC 1907 que vou descrever de seguida, formando um par de enxames bastante interessante. Está á mesma distância de M37.

- Enxame aberto NGC 1907 (H 60) mag 10.5 dim 7.0' classe II 1 m n
Pequeno e compacto enxame que faz companhia a M38 (está a apenas meio grau). Consegue-se resolver facilmente uma dezena de estrelas começando em 9 de magnitude, num fundo algo "nebuloso". Forma um excelente quadro com o M38.

- Nebulosa de Emissão e Reflexão NGC 1931 (H 61) mag 11.3. dim 1.0' classe n
Relativamente fácil de encontrar (fica meio caminho de M36 para M38), se estivermos à procura de uma estrela a desfocada, pois é uma bem pequena nebulosa mas relativamente brilhante centrada numa das 3 ou 4 estrelas pouco brilhantes da área.

- Enxame aberto NGC 2281 (H 82) mag 7.0 dim 15.0' classe I 3 p
Enxame grande e esparso com dois pares de estrelas duplas a "dominar" a cena, tendo uma forma alongada e um núcleo mais concentrado.

- Enxame aberto NGC 1664 (H 56) mag 8.0 dim 18.0' classe III 1 p
Enxame pouco interessante, com algumas dezenas de estrelas. Estar num campo mais ou menos populado não ajuda muito à sua identificação. Lá perto está uma estrela de magnitude 7.

Aproveitei ainda para tirar umas fotografias a Júpiter donde resultou esta composição de duas das fotos. Uma sobreexposta para as Luas (Pan 19mm) e outra com menor exposição para o globo (Radian 14mm).

Júpiter e luas galileanas
Júpiter e luas galileanas - de baixo e da esquerda - Calisto, Io, Europa e Ganimede


Observatório do Pinhal do Rei XVI

2001.11.07
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
21:30 as 00:30 locais (21:30 as 00:30 TU)
Magnitude zénite: 5+ Antoniadi: III(pouco estável). Temperatura: amena. Céu limpo. Lua nascéu ás 23:00
Dobson Newtoniano Brightstar Spacewalker 200mm f/6com Quickfinder, Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), ortoscópica Kasai de 12.5mm (97x 26'), ortoscópica Kasai de 9mm (139x 19'), Sky Atlas 2000.0 (Tirion).

Aproveitando uma das raras noites que vão surgindo, mesmo no meio da semana. Embora as noites nestes dias sejam limpas, não são muito estáveis, sendo quase obrigatório esperar que os objectos"subam" para uma boa visão. Foi muito curta porque entretanto teve início mais uma habitual "quarta-feira de observação" no recinto.

Perseu

- Enxame aberto NGC 1245 (H45) mag 9.0 dim 10.0' classe III 1 r
Meia dúzia de estrelas resolvidas num ténue fundo não resolvido.

Saturno e Júpiter

Devido à turbulência nenhum dos planetas "aguentava" grandes magnificações, mas de qualquer modo fica registado uma separação de 20" de Thetis do globo do planeta Saturno. Em Júpiter só no final da sessão é qie se viu alguns breves flashs de estabilidade onde se poderiam observar os vários cinturões, e infelizmente não houve nenhum evento relacionado com os satélites nem a GMV na duração da sessão.

Estiveram presentes no local cerca de meia dúzia de pessoas, a quem se mostrou à laia de "Astronomia de Verão" as três galáxias de Andrómeda, duplo enxame entre outros.

Lua e Júpiter 7-Novembro-2001 00:58
Lua e Júpiter 7-Novembro-2001 00:58
Canon Powershot G1 f2.5 8s 50 ASA. Consegue-se discernir o Ganimede (acima) e o Calisto (abaixo) do planeta Júpiter. A Lua estava a mais de 11 graus no meio das nuvens, mas adicionou uma atmosfera interessante à cena.


Ponto da Castrinha I - Ocultação de Saturno pela Lua

2001.11.03
Ponto da Castrinha
19:00 as 23:00 locais (19:00 as 23:00 TUC)
Magnitude zénite: 3+ Antoniadi: II(estável-). Céu geralmente limpo, mas nebulado em algumas áreas. Neblinas baixas.
ETX90EC com Autostar, ocular TV plossl 32mm (38x 78') e câmara digital Canon Powershot G1.

Esta foi a primeira vez que observei uma ocultação de um planeta pela Lua, por acaso até de _qualquer_ coisa pela Lua com excepção do Sol. As fotografias dão uma vaga ideía do acontecimento, que foi visualmente impressionante. As horas têm uma precisão de 1 minuto.

Ocultação de Saturno
Às 19:24 era assim que a Lua estava a nascer. Algumas nuvens mas felizmente que eram baixas. Acima e mais à direita pode-se observar as Pleiades. A estrela brilhante à esquerda é a Capella da constelação do Cocheiro. O ponto da Castrinha é excelente pois permite ver quase toda a esfera celeste.

Ocultação de Saturno
Já a esta hora era possível ver os dois planetas no mesmo campo de visão da ocular de 32mm. Eis a vista geral.

Ocultação de Saturno
A mesma maginificação, mas com o zoom óptico 3x da câmara fotográfica.

Ocultação de Saturno
Imediatamente após o contacto.

Ocultação de Saturno
Por distracção não vi o reaparecimento de Saturno, aqui já estava bem afastado da Lua....