Janeiro 2007

Pousados IV
Uma noite polar

2007.01.27
Pousados - Alcanede

Vénus e MercúrioComo a fotografia ao lado mostra, a noite começou com um belo crepúsculo com os dois planetas interiores, Vénus e Mercúrio bem brilhantes a mergulhar em desfile, mas ainda demasiados separados para se chamar propriamente uma conjunção.

A Lua estava iluminada em quase três quartos da sua superfície o que impossibilitou observar convenientemente praticamente todo o resto do universo e ainda com a agravante que apenas às 4 da madrugada iria finalmente se pôr.

Durante o dia deu para verificar que a transparência seria de excepção, assim como a certeza de ter o céu limpo de nuvens, e não me importei de esperar para ver o quão escuro era o quintal do sôr Mota.

O SQM em média chegava a 20.30 após a Lua se pôr, com uma temperatura ambiente a rondar os zero graus e uma total ausência de humidade. A turbulência esteve bastante forte.

Estas noites frias de influência polar são algo estranhas, especialmente quando aparecem nuvens que apesar de felizmente de terem sido solitárias, se desfaziam e tomavam formas estranhas e elongadas.

A observação visual esteve muito condicionada pelo o luar intenso, tornando deslavados e por muitas ocasiões até invisíveis grande parte dos alvos para onde apontei, restando apenas o planeta Saturno, a Lua e uma ou outra planetária. A turbulência retirou a vontade de me dedicar à separação de estrelas múltiplas, tendo as primeiras horas da noite sido essencialmente preenchidas com petiscada, conversa e a ver o que os restantes companheiros de observação (Barros, Hugo e João Nuno) andavam a fazer.

Resolvi então tirar umas fotografias a grupos de galáxias brilhantes, objectivo este um pouco absurdo com tanto luar mas na realidade pouco mais era possível fazer sem ter de utilizar filtros de linha devido a tanta luz ambiente.

local

A constelação do Leão que neste momento parece querer comer Saturno já estava bem lançado para o meridiano tendo escolhido a sua parte posterior e mais afastada da Lua onde se situa o grupo do Messier M65/M66/NGC 3628 distante em média 50 milhões anos-luz conjuntamente com a bem mais afastada (na realidade 170 milhões anos-luz mais afastada) NGC 3593, sendo esta última pertencente ao grupo de galáxias de NGC 3607 , e com todas elas pertencentes ao Enxame de Galáxias Leo I. Ver os últimos valores em NASA/IPAC Extragalactic Database (NED) . O norte está às 11 horas.

Este é um trio de galáxias em espiral muito popular nas noites de Primavera, que se podem ver simultânemente com a combinação certa de ocular de grande campo - nesta noite estavam muito próximas da invisibilidade.

Usando o MSA e com a ajuda de uma "moldura" em cartão com a dimensão do campo resultante da combinação Nikon D70 com o Takahashi Sky90 , concertei a imagem abaixo que ainda tem muito luar à mistura, bastavam apenas 4 minutos resultavam numa imagem praticamente branca. O resultado abaixo são de 10 exposições de 2 minutos, como é habitual não-guiadas e focadas a olho.

Messier M65/M66/NGC 3628
(clique na imagem - click on the image)

Abaixo está a fotografia do grupo da M81, este bastante mais perto a apenas 20 milhões de anos-luz. A imagem estende-se por cerca de 3 graus na diagonal que correspondem a 1 milhão de anos-luz à distância média deste grupo (ver aqui a fórmula).
Desta vez resolvi aproveitar a ausência de luar e os 0 graus de temperatura ambiente e ser um mãos largas, e lá tive o questionável prazer de disparar 30 vezes a máquina (e de a também reciclar no mesmo número), pacientemente cronometrando os 2 minutos de exposição perfazendo o grande total de 1 hora.
Já alguma vez mencionei que adoro esta montagem ? ;) - cada tiro cada melro - todas as fotos estão pontuais, embora 2 minutos nem sequer ser grande desafio para aquele relogio suiço.

Esta imagem tem galáxias para todos os níveis de paciência, desde as imediatas M81, M82, NGC 3077 e NGC 2976, passando pelas pequenas mas ainda bem presentes NGC 2959, UGC 5302 e UGC 5247 PGC 27688, à quase afogada no ruído de fundo galáxia anã irregular e por fim satélite de M81 UGC 5336 também chamada de Holmberg IX, esta última tem um brilho de superfície muito baixo e é para especialistas pois pode ser confundida com uma dedada no ecrã. O Norte está para as 5 horas.

M81, M82, NGC 3077 e NGC 2976
(clique na imagem - click on the image)

A imagem abaixo tem o centro de massa entre o enxame globular Messier 3 e a gigante vermelha de magnitude 6 que lhe faz companhia, assim com a pequena e ténue galáxia NGC 5263 mais acima. Este brilhante globular está situado praticamente no meio da recta traçada entre a Arcturo do Boeiro e a Cor Carolli da Cães de Caça, este enxame está localizado numa área relativamente desprovida de estrelas brilhantes mas com o truque anterior é fácil de encontrar, sendo imediatamente visível com qualquer binóculo. São 10 imagens de 2 minutos com o Norte às 10 horas.

Messier 3
(clique na imagem - click on the image)

Vi alguns meteoros relativamente brilhantes originados no que pareciam ser o radiante das quadrântidas. A imagem animada mostra duas muito ténues que aparentemente partilharam exactamente o mesmo caminho de entrada na atmosfera.

A noite para mim acabou às 5:20 já com as constelações primaveris Hércules e Lira bastante altas a Leste.

meteoro


Pátio 240
Cometa C/2006 P1 (McNaught) III

2007.01.13
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)

Estou a começar a desenvolver alguma antipatia para com as nuvens! Hoje seria provavelmente o dia que se poderia ver melhor este cometa ainda com o Sol acima do horizonte.
Com os binóculos 7x50 lá estava ele, partilhando o mesmo campo com um Sol vermelho e abatatado. Se este cometa não for um dos mais brilhantes de sempre, julgo pelo menos ter assegurado um lugar no pódio.
A fotografia abaixo foi tirada ainda com o Sol meio grau acima do horizonte mas já tapado pela a frente de nuvens. O círculo marca o cometa nestas condições no mínimo péssimas, e na verdade sei que aquela meia dúzia de pixels ligeiramente mais claros se trata do dito cujo porque me recordo neste momento da sua posição em relação às nuvens. Foi pena a meteorologia não ajudar.

Cometa C/2006 P1 (McNaught) III


Capuchos XII
Cometa C/2006 P1 (McNaught) II

2007.01.12
Capuchos - Leiria

Outra vez as nuvens! mas ainda deu para dar uma olhadela nuns dos cometas mais brilhante em décadas, e ainda tirar mais uma fotografia. Novamente era perfeitamente visível a olho nu tanto a coma branca como a pequena cauda, novamente muito semelhante a um contrail. Hoje achei-o com um brilho mais aproximado mas ainda aquém de Vénus.

Cometa C/2006 P1 (McNaught)


Sra. do Monte X
Cometa C/2006 P1 (McNaught)

2007.01.11
Sra do Monte - Cortes (39.68N 8.75W alt:395m)

Após quase toda a semana a tentar observar este cometa, eís que finalmente as nuvens deram uma oportunidade antes que este ficasse mais perto do Sol.

Como esperado, o Sol desapareceu no horizonte às 17:30 tendo começado imediatamente a vasculhar o céu com os binóculos 7x50, apanhando logo um planeta Vénus bem brilhante, e avistado o cometa após apenas 10 minutos.
A coma apresentava-se extraordinariamente condensada e brilhante, com uma cauda que estimei inicialmente em cerca de meio grau, mas mais impressionante foi ainda se encontrar numa fundo de céu bem azul, praticamente em pleno dia ainda com o Sol a brilhar 9 graus mais abaixo (um punho fechado com o braço esticado).
Novamente 10 minutos depois às 17:50, observei-o com a vista desarmada, que honestamente de modo nenhum me faria olhar para lá a segunda vez se não soubesse que era o cometa, mais depressa julgaria que se tratava de um pequeno "contrail" dos aviões.
Nos binóculos, a cauda cresceu para mais de 1 grau de extensão. Fui acompanhando a sua descida para as regiões alaranjadas do crepúsculo, com o cometa a ganhar uma tez dourada mais acentuada.
Para se ter uma ideia aproximada da intensidade e tamanho relativo deste cometa clicar aqui e boa sorte a encontrá-lo (no canto superior esquerdo é Vénus).

Eram já 18:10, com trinta minutos passados após a primeira observação tendo desaparecido de vez na neblina.

Clicar na imagem abaixo para ver o cometa em maior resolução

Cometa C/2006 P1 (McNaught)

relato escrito e imagens processadas ao som de: